“Você gosta de ser mulher?”

08 março, 2015



       Inicio este texto com uma pergunta muito comum que ouço nos meus cursos de Saúde Reprodutiva com jovens adolescentes e mulheres mais maduras, nas quais questionam que os maiores prejuízos nos relacionamentos e na vida estão ligados ao universo feminino, ou seja, ao ser mulher.
Durante todo o meu trabalho, observo no rosto e nas falas constantes as indagações e os questionamentos culturais em ser mulher, que apesar da grande independência e do espaço conquistado, ainda assim ficamos presas e limitadas a uma série de rótulos culturais; fora as diversas consequências biológicas que passamos devido às alterações hormonais. Mas, o que mais me espanta é o fato de que muitas delas, se pudessem escolher, não seriam mulheres. Por quê?
Seguimos uma rotina mensal de sofrer com as cólicas menstruais, aguentar horas e horas com dores e pernas abertas para dar a luz a uma criança, provar o tempo inteiro em nosso emprego que não ficamos para trás dos nossos colegas do sexo masculino, tentar agradar a sogra para não criar um vínculo de disputas pelo marido, não fazer xixi em pé e nem em “qualquer” lugar, enfim, são vários os aspectos e comparações que podem ser citadas aqui.
Mas espera aí... nem tudo é tão ruim assim! Existem vantagens e lucros que nós mulheres podemos desfrutar que os homens não têm.
Culturalmente, somos criadas para sermos mais sensíveis, para exercer a maternidade, cuidar, etc. Assim, não hesitamos em demonstrar nossas fragilidades quando sentimos vontade. Ao contrário, o homem precisa ser machão, forte, pegador e o pior, não podem chorar.
Saber lidar com as alterações físicas, hormonais, emocionais e sociais faz parte da vida de qualquer ser humano. São elas que nos permitem aprender que as mudanças de humor são instrumentos úteis e que podem nos levar a descobrir como agir diante das circunstâncias da vida.
No início a pergunta me provocava um impacto muito grande, mas ao avaliar parte da minha trajetória e observar o mundo feminino, percebo que para ser mulher ou para ser homem, sempre encontraremos o bônus e o ônus, a diferença estará na forma como iremos lidar com cada situação.




Se olharmos por outro ângulo, podemos ver os preciosos tesouros que carregamos pelo fato de sermos mulheres: criar e gerar uma vida dentro de nós, poder alimentar esse ser com nosso próprio recurso humano; sermos sensíveis e fortes ao mesmo tempo, expressar melhor nossos sentimentos sem sermos tachadas de fracas; receamos as rugas, mas não a calvície; uma mulher baixa pode usar salto alto para disfarçar o tamanho; podemos nos divertir com as mais diversas vaidades: máscaras para cílios, vestidos rodados, batons de cores variadas, coleções de sapatos no armário, dentre outros.
Portanto, podemos usar nossos questionamentos e conflitos internos para crescermos emocionalmente, desenvolvendo as nossas diversas habilidades e assim navegar nesse universo feminino cheio de oportunidades e mistérios.
08 de março, dia internacional da Mulher.


Parabéns Mulheres!



____________________________________________________________________________



Notas:
                  1. Autora: Fernanda Almeida Cavalcanti
                       Psicoterapeuta Sistêmica Familiar em Montes Claros/MG
                       Atende Casais, Famílias e Individual

                 2. Este texto já foi publicado no jornal 'O Barranqueiro' da cidade de São Francisco/MG e                            'Notícia' de Montes Claros.


Cadastre seu e-mail do lado direito da página e receba as novas postagens.



Comentários
0 Comentários

Comentários:

Postar um comentário



 

Fernanda Cavalcanti © Copyright - 2012. Todos os direitos reservados. Layout criado por Gabi Layouts